10 mg ambien while pregnant buy zolpidem zolpidem online Lincoln

mixing tramadol with zoloft buy tramadol online buy ultram Rancho Cucamonga

innehГҐll tramadol buy tramadol tramadol withdrawal forums

opar yedek parça soma buy soma what is another word for soma

combining ambien and klonopin buy ambien ambien cheapest online

can you take xanax and cipro together xanax online no prescription xanax bırakırken etkileri

tramadol emphysema buy tramadol online no prescription overnight norco with tramadol

ambien sleepwalking death ambien without prescription ambien vs lunesta

tramadol make you feel sick tramadol 50 mg blanda stilnoct och tramadol

over the counter tramadol in mexico tramadol 50mg can you take tramadol and doxepin

Mais de 3500 crianças e 70 educadoras participaram de oficinas de cerâmica com o Projeto Tauá

Educação - 01/08/2019 às 6h05

Projeto recebeu apoio COCEL, através de incentivo fiscal

No mês de julho foi realizada a centésima oficina de cerâmica indígena do Projeto Tauá – A Arte que vem da Terra. Mais de 3500 alunos de escolas municipais participaram do projeto realizado com o apoio da Companhia Campolarguense de Energia – COCEL, através do Programa Estadual de Fomento e Incentivo à Cultura do Paraná (Profice), e da Secretaria Municipal de Educação e Esporte. Na quinta-feira (01) as últimas oficinas do projeto tiveram um público diferente: 70 educadoras da rede pública municipal, que poderão multiplicar o conhecimento adquirido com seus alunos.

Tauá significa argila em tupi-guarani e as oficinas têm o objetivo de promover o exercício e a valorização do trabalho artesanal, apresentar a importância e a riqueza da cultura da cerâmica, despertar a curiosidade e estimular a criatividade das crianças. Os participantes tiveram a oportunidade de confeccionar e levar para casa um objeto em cerâmica utilizando as mesmas técnicas das comunidades indígenas brasileiras e também conheceram os aspectos históricos e culturais do trabalho com argila.

O arte educador, artesão e músico Fábio Mazzon é o idealizador do projeto e avalia que as oficinas realizadas cumpriram os objetivos principais: valorizar a cultura indígena e ensinar a técnica da cerâmica às crianças. “Conseguimos um grande envolvimento das crianças e professores, que tiveram a oportunidade de aprender uma técnica, desenvolver a criatividade, exercitar a paciência e a concentração e aprender sobre a cultura indígena, que é tão rica e faz parte de nossa história” – destaca Mazzon. As oficinas foram ministradas por Mazzon e Pietro Rosa – artesão e pedagogo.

Alunos aprenderam técnica indígena de produção de cerâmica.

 

Multiplicação do aprendizado

A professora de artes da Escola Municipal Albina Grigoletti Winheski, Vilma Aparecida Barausse, considera que as oficinas foram uma excelente oportunidade de aprendizado que poderá ser compartilhado com os alunos. “Foi extremamente gratificante participar, além de aprender a técnica, valorizar a cultura e nossa história” – resume Barausse. A Secretária Municipal de Educação e Esporte, Dorotéa Stoco, lembra que as oficinas foram um grande sucesso em todas as escolas em que foram realizadas. “Foi um privilégio participar deste projeto, realizado com grandes referências e embasamento, que contribuiu para o aprendizado de todos. Realizar a oficina com as educadoras é de extrema importância, pois permite a multiplicação do aprendizado, alcançando ainda mais crianças”, completa Stoco.

Parcerias visando benefícios para o município

O prefeito Marcelo Puppi e diretor presidente da Cocel, José Arlindo Lemos Chemin, estiveram presentes nas oficinas realizadas com as educadoras e destacaram a importância da realização de parcerias para viabilizar projetos que tragam benefícios ao município. Chemin conta que o patrocínio foi possível através de incentivo fiscal – parte do ICMS pago pela Companhia ao Governo do Estado foi destinado ao projeto através do Profice. “É muito importante para a Cocel que os valores pagos pelos consumidores sejam reinvestidos no município, apoiando projetos que sejam de grande relevância”, informa Chemin. Puppi ressaltou a importância do apoio da Cocel e do envolvimento dos docentes no projeto, destacando o quanto o trabalho com argila e a produção cerâmica estão conectados com a história de Campo Largo.

Cultura indígena em destaque.

01/08/2019

Seu navegador está desatualizado!

Atualize seu navegador para ver este site corretamente.Atualizar meu navegador agora

×