phentermine hair thinning buy phentermine can u take zoloft with phentermine

how fast does tolerance build to xanax xanax drug xanax on blunt

provigil radio ad buy provigil provigil bruising

consecuencias de exceso de tramadol where to buy tramadol drugs not to mix with tramadol

ambien cr printable coupon cheap ambien generic ambien does it work

afkick xanax generic xanax what do you take to get off xanax

what drug family is ambien in buy ambien bad generic ambien

nutrisystem phentermine buy phentermine online phentermine doctor oklahoma

venta aura soma barcelona buy soma soma roy marriott

tratamiento de klonopin generic klonopin can you take remeron with klonopin

Histórico

Conheça um pouco sobre a história da Cocel:

O ano era 1.967 e a Divisão de Energia da Prefeitura Municipal era a responsável pela distribuição de energia elétrica na cidade. Nesta época o então Presidente da República, militar Castelo Branco, assinou um decreto com validade de noventa dias habilitando os municípios para se adequarem a uma nova realidade – a organização de empresas de economia mista (de propriedade pública e privada) para conseguirem a concessão da distribuição de energia em seu território. Dentro deste prazo, um representante do município precisaria se dirigir ao Ministério de Minas e Energia, em Brasília, com a documentação adequada para encaminhamento e efetivação da proposta.

O prefeito de Campo Largo daquele período, Newton Puppi e o advogado Renato Borges de Macedo – que informou ao Prefeito sobre o decreto federal e conseguiu providenciar a documentação necessária para solicitar a concessão, foram decisivos para a criação da empresa que viria a se tornar uma das grandes fomentadoras do desenvolvimento da cidade – a Cocel.

O projeto completo da criação da Cocel foi apresentado à Câmara dos Vereadores de Campo Largo, em 17 de julho de 1967, aprovado em 4 de dezembro do mesmo ano e sancionado através da Lei n° 106 do dia seguinte.

Em 5 de março de 1968, às 20 horas, no salão da Biblioteca Municipal, uma assembléia geral extraordinária marcava a Fundação da Cocel – Companhia Campolarguense de Eletricidade. Por força de decreto municipal, Salim Mussi foi o organizador da Companhia. Alceu Cavalli (que era funcionário da Divisão de Energia Elétrica da Prefeitura) foi nomeado diretor presidente e Biazio Guarezi, diretor técnico.

O primeiro conselho fiscal foi composto por: Júlio Nerone, Adria Constantina Stoco Mores, Enir Leon Bordes, Reinaldo Gadens, Atílio Castagnoli e Antonio Santos Falarz – todos se tornaram acionistas da Companhia. Para legalizar a empresa de energia era necessário que houvesse acionistas, então para isso acontecer, foi vendido para pouco mais de dez pessoas da cidade um equivalente a 3% do montante das instalações elétricas patrimoniais da cidade.

Também se tornaram acionistas: Jorge Mussi Filho, Alceu Cavalli, Biazio Guarezi, Sergio Luiz Cavalli, Renato Borges de Macedo Junior, Ivo Pelizari, Salim Mussi, Rubens Bichibichi, Eleutério Altino Ricardo Barros, Artur Francisco Petroski e João Alberto Trevisan. Pela lei que regulamenta as empresas de economia mista, coube à Prefeitura Municipal a maioria das ações da Cocel.

Inicialmente a Cocel funcionou numa sala alugada na casa do senhor João Davi, na Rua 7 de Setembro, em frente onde atualmente funciona o Posto de Saúde Municipal do Centro. Mais tarde a Cocel mudou-se para onde hoje é a Casa da Cultura. Ali eram as instalações da Prefeitura e ao lado, um anexo provisório foi cedido para a Cocel que, naquele instante, já estava bem desenvolvida. A atual sede, localizada à Rua Rui Barbosa, 520, foi inaugurada em 1995.

Em junho de 1.994 o nome da empresa foi alterado para Companhia Campolarguense de Energia devido à possibilidade de exploração de outras fontes de energia.

Na época em que a Cocel foi criada a população de Campo Largo era de aproximadamente 30 mil habitantes, sendo que 5 mil eram consumidores de energia elétrica. Durante as grandes transformações econômicas da cidade a Companhia demonstrou a qualidade de seu trabalho. Durante a expansão das indústrias cerâmicas na década de 1.980, e recentemente com a instalação de indústrias de autopeças, houve a necessidade de melhorias e ampliações na rede de energia – necessidades que foram rapidamente atendidas pela COCEL.

É a nossa energia que move as indústrias cerâmicas, de auto-peças, de embalagens, as vinícolas, os moinhos e tantas outras que enchem o campo-larguense de orgulho e oportunidades. É também a nossa energia que ilumina nosso tão desenvolvido comércio e empresas prestadoras de serviço. E hoje cada agricultor ou pecuarista pode contar com a nossa energia para seu trabalho, mesmo nos bairros mais distantes, a energia Cocel está lá para colaborar com o desenvolvimento de nossa cidade e nossos cidadãos.

*Pesquisa histórica realizada por Silvano Silva.

Heráclito Kuster

Heráclito Kuster

Cerâmica Iracema

Cerâmica Iracema

 

Seu navegador está desatualizado!

Atualize seu navegador para ver este site corretamente.Atualizar meu navegador agora

×